Thomas Watson – Uma Exortação Para Amar a Deus [5/6]

O Voltemos ao Evangelho está traduzindo o livro Um Tônico Divino, do puritano Thomas Watson. Confira os capítulos já traduzidos:

  1. As melhores coisas cooperam para o bem [Parte 1 | Parte 2 | Parte 3 | Parte 4 | Parte 5]
  2. As piores coisas cooperam para o bem [Parte 1 | Parte 2 | Parte 3 | Parte 4 | Parte 5 | Parte 6 | Parte 7 | Parte 8]
  3. Por que todas as coisas cooperam para o bem do homem piedoso? [Parte 1 | Parte 2 | Parte 3]
  4. Sobre o Amor a Deus [Parte 1 | Parte 2 | Parte 3]
  5. Os Testes do Amor a Deus [Parte 1 | Parte 2 | Parte 3 | Parte 4 | Parte 5 | Parte 6]
  6. Uma Exortação Para Amar a Deus [Parte 1 | Parte 2 | Parte 3 | Parte 4 | Parte 5 | Parte 6]

2. Uma exortação para preservar o seu amor a Deus.

Você que possui amor a Deus, trabalhe para preservá-lo; não deixe esse amor morrer ou se extinguir.

Assim como você deseja que o amor de Deus continue sendo derramado sobre você, que o seu amor continue para com Ele. O amor, como o fogo, facilmente se dissipa. “Abandonaste o teu primeiro amor” (Ap 2.4). Satanás trabalha para apagar essa chama e, ao negligenciarmos o dever, nós a perdemos. Quando um corpo jovem deixa de usar roupas adequadas, facilmente pegará um resfriado: assim, quando deixamos o dever, nós gradativamente esfriamos em nosso amor a Deus. De todas as graças, o amor é a que mais facilmente se enfraquece; portanto, nós precisamos ser muito cuidadosos em preservá-lo. Se um homem possui uma jóia, ele irá guardá-la; se possui uma terra de herança, ele irá guardá-la; que cuidado então nós devemos ter para guardar esta graça do amor! É triste ver mestres declinando em seu amor a Deus; muitos estão em um processo de definhamento espiritual; o seu amor está se enfraquecendo.

Há quatro sinais pelos quais os cristãos podem saber que o seu amor está em um processo de definhamento.

(1) Quando eles perdem o seu paladar. Aquele que está em um profundo definhamento não possui paladar; ele não encontra aquele saboroso prazer em sua comida como antes. Assim, quando os cristãos perdem o seu paladar, e já não encontram qualquer doçura nas promessas de Deus, isso é um sinal de definhamento espiritual. “Se é que já provastes que o Senhor é benigno” (1Pe 2.3, ARC). Houve um tempo em que eles encontraram conforto em se aproximar de Deus. A Sua Palavra era como o mel que escorre, deliciosíssimo ao paladar de sua alma, mas agora é diferente. Eles não podem sentir mais doçura em coisas espirituais do que na “clara do ovo” (Jó 6.6). Este é um sinal de que eles estão em definhamento: a perda do paladar indica a perda do primeiro amor.

(2) Quando os cristãos perdem o seu apetite. Um homem em profundo definhamento não possui aquele deleite pela sua comida como antes. Houve um tempo no qual os cristãos tinham “fome e sede de justiça” (Mt 5.6). A sua atenção estava voltada para coisas celestiais, a graça do Espírito, o sangue da cruz, a luz da face de Deus. Eles tinham um desejo ardente pelas ordenanças, e vinham a elas como um homem faminto a um banquete. Mas agora o caso é diferente. Eles não possuem qualquer apetite, não valorizam Cristo do mesmo modo, não possuem afeições tão intensas pela Palavra, os seus corações não ardem dentro deles. Isso é um triste presságio de que eles estão definhando, o seu amor está decaindo. Quando os servos do rei Davi passaram a envolvê-lo com roupas, e, ainda assim, ele não se aquecia, isso era um sinal de que a sua força natural estava abatida. Dessarte, quando os homens são envolvidos em vestes quentes (isto é, as ordenanças), e, ainda assim, não possuem qualquer calor de afeição, mas permanecem frios e cadavéricos, como se estivessem prontos a ser enterrados, isso é um sinal de que o seu primeiro amor declinou, eles estão em profundo definhamento.

(3) Quando os cristãos crescem mais em amor ao mundo, isso indica uma diminuição do amor espiritual. Outrora eles tinham um temperamento sublime e celestial, eles falavam a linguagem de Canaã; porém, agora, eles são como o peixe do relato evangélico, o qual tinha dinheiro em sua boca (Mt 17.27). Eles não podem balbuciar três palavras, sem que uma seja sobre mamom. Os seus pensamentos e afeições, assim como Satanás, ainda estão rodeando a terra; um sinal de que eles estão rapidamente descendo do monte, o seu amor a Deus está definhando. Nós podemos observar que, quando a saúde decai e se torna cada vez mais fraca, as pessoas ficam mais curvadas; e, verdadeiramente, quando o coração se torna mais curvado para a terra, e está tão prostrado a ela que dificilmente pode elevar-se em um pensamento celestial, ele agora está tristemente enfraquecendo-se em seu primeiro amor. Quando a ferrugem se apega ao metal, ela não apenas remove o seu brilho, mas também o corrói e consome; assim, quando a terra se apega à alma dos homens, ela não apenas eclipsa o brilho reluzente de suas graças, mas gradativamente a corrói.

(4) Quando os cristãos fazem pouco caso da adoração a Deus. Os deveres da religião passam a ser executados de uma maneira morta, formal; quando eles não deixam de ser feitos, são feitos com má vontade. Isso é um triste sintoma de definhamento espiritual; desleixo nos deveres evidencia um declínio em nosso primeiro amor. Quando as cordas de um violino estão frouxas, nenhuma boa música pode ser tocada nele; quando os homens se tornam cada vez mais frouxos em seus deveres, eles oram como se não orassem, e isso jamais poderá levar algum som harmonioso aos ouvidos de Deus. Quando os movimentos espirituais se tornam lentos e pesados, e a alma pulsa com fraqueza, isso é um sinal de que os cristãos abandonaram o seu primeiro amor.

Acautelemo-nos desse definhamento espiritual; ele ameaça abater o nosso amor. O amor é uma graça tão sublime que não podemos viver sem ela. Assim como um soldado não pode estar sem suas armas, um artista sem seu pincel, um músico sem seus instrumentos, assim um cristão não pode ficar sem amor. O corpo não pode ficar sem o seu calor natural. O amor é para a alma como o calor natural é para o corpo: sem ele, não há vida. O amor influencia as graças, desperta as afeições, nos faz tristes pelo pecado e alegres em Deus; é como óleo nas engrenagens; ele nos anima no serviço de Deus. Quão alertas então devemos estar para manter vivo o nosso amor a Deus!

Pergunta. Como nós podemos impedir que o nosso amor esmoreça?

Resposta. Vigiem os seus corações todos os dias. Prestem atenção aos primeiros sinais de declínio na graça. Observem a si mesmos quando começarem a se tornar lerdos e desatentos, e usem todos os meios para serem despertados. Estejam frequentemente em oração, meditação e em ajuntamentos santos. Quando o fogo está se apagando, vocês põem combustível; assim, quando a chama do seu amor estiver se dissipando, façam uso das ordenanças e das promessas do Evangelho como combustível para manter queimando o fogo do seu amor.

Por Thomas Watson. Original: A Divine Cordial By Thomas Watson

Tradução: voltemosaoevangelho.com

Permissões: Você está autorizado e incentivado a reproduzir e distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor, seu ministério e o tradutor, não altere o conteúdo original e não o utilize para fins comerciais.

5 Comentários
  1. daniel pc Diz

    Excelente, precisava ler isso agora de manhã… Como preciso vigiar meu coração…

  2. ieda sardinha Diz

    O amor a Deus é mesmo a joia mais valiosa que possuimos, sem ele somos vazios e sem nenhuma graça. A vida fica sem sentido. Que Deus possa nos ajudar a preservar esse amor indispensável para nós. Que o Senhor nos abençoe a todos e que sejamos sempre gratos a esse maravilhoso amor do PAI!!!!!!!!

  3. Marilia Quintela Diz

    Partilho com os amados e irmãos(as) e amigos…

  4. Westermon Teixeira Junior Diz

    gostei muito precisamos ficar sóbrios e vigilantes.

  5. Bia Diz

    Obrigada pela mensagem!

Comentários estão fechados.